D.

*Autor, infelizmente, não identificado.
Divagar devaneios. 
Diálogos doces devem durar dias.... devagar. 
Derreter dores em discursos delicados. 
Desculpe, duvido daquele distinto que diante disso diz: Doida!

Dó!

Distinto, o destino descasca durante décadas e depois de doses de descaso dirás que devaneios devem dividir as despesas do dia a dia: diplomas, dores, desejos, distância, dívidas, dúvidas, dinheiro, descanso, desilusão... detalhes que o devaneio dividido dilui.
Deus dá dias, e dicas, deixa ao deleite daqueles dedicados a descontração do deixar dançar as dores entre as doçuras do diálogo. 

Durante decisões determinantes, distinto, devanear é dádiva!

Um comentário:

  1. Eu meio que não costumo ser baba ovo sem intervalos regulares para não parecer muito "creepy", mas depois desse texto tive que quebrar meu protocolo. Ficaria de pé aqui pra te aplaudir se não fosse algo assim tão esquizofrênico. Que coisa incrível, cara.

    Suas aliterações me encantaram, de novo, e eu só posso te dar os meus mais sinceros sinceros parabéns por este tesourinho.

    Um abraço.

    ResponderExcluir

Pitacos